segunda-feira, 10 de março de 2008

ALMS: vai começar o espetáculo!




Com quatro sessões de testes livres para quem quiser participar, começa hoje a temporada 2008 da American Le Mans Series. Serão 11 provas de sábado próximo até setembro, com a fina flor da endurance em protótipos e GTs nos Estados Unidos. O primeiro prato será servido na Flórida: as 12 Horas de Sebring, cercadas de grande expectativa porque teremos o primeiro dos oito confrontos do ano previstos entre Peugeot x Audi - os dois construtores que apostaram primeiro no uso do diesel como combustível.

Os alemães, como é sabido, levam vantagem pois o projeto do R10 TDi já vem de 2006 e um ano faz toda a diferença no automobilismo. Mas não se iludam: a Peugeot tem não só um carro belíssimo e confiável como também pilotos que podem fazer a diferença na hora H especialmente em termos de velocidade, feito o francês Nicolas Minassian. Os alemães contra-atacam apregoando a juventude das novas feras Lucas Luhr e Mike Rockenfeller, que irão se juntar a Marco Werner no segundo carro. O primeiro é dos campeões de 2007: Dindo Capello, Allan McNish e do sete vezes campeão de Le Mans, Tom Kristensen.

Isto posto, sabe-se que os outros três carros inscritos na classe LMP1 para Sebring serão meros figurantes. A novidade é a equipe ECO Racing dirigida por Ian Dawson, que também aposta no diesel como combustível, para impulsionar o protótipo Radical R10 de Ben Collins, Simon Wright e Harri Toivonen. Falta desenvolvimento ainda, mas o carro poderá surpreender ao longo do ano. Algo que não se espera, por enquanto, da Autocon - que ainda comemora a conquista de uma improvável vaga para as 24 Horas de Le Mans - e da Intersport Racing.

A LMP2 é a classe mais equilibrada de protótipos não só na ALMS como também no planeta inteiro. Duas marcas se sobressaem: a Porsche e a Acura (leia-se Honda). Os alemães têm como trunfo a competência extrema da Penske, que é a equipe oficial e obteve uma façanha incrível ano passado. Nas 12 provas, venceu simplesmente oito na classificação geral, fazendo de Romain Dumas e Timo Bernhard os astros do ano. Para 2008, espera-se o contra-ataque da Audi, mas nas provas de "tiro curto" que são maioria na temporada, a Penske e a Porsche podem beliscar vitórias de novo.

A Acura larga no início do campeonato com três protótipos ARX-01B, na verdade um Courage LC75 com aerodinâmica revista, e terá um quarto carro a partir do GP de Long Beach, quando acontece a já falada estréia da equipe do brasileiro Gil de Ferran. Por enquanto, a melhor das equipes da montadora japonesa na LMP2 é a Highcroft, mas a Andretti Green conseguiu tempos bastante consistentes nos testes de Sebring e é bom não esquecer que no ano passado chegaram em segundo na geral, vencendo na divisão.

A Dyson Racing, outra equipe que corre com Porsche, deve fazer o mesmo papel de 2007: figuração. Já a B-K Motorsports, com um maior envolvimento da Mazda no programa de desenvolvimento do motor trirotor e novos pneus Yokohama, pode ser capaz de resultados melhores que no último ano. Em Sebring, outras duas equipes européias vão se bater com as estadunidenses: a Horag Racing, que inscreveu outro Porsche RS Spyder e a franco-dinamarquesa Barazi Epsilon, com um Zytek.

Na LMGT1 não se espera outra coisa além do óbvio. Com poucos carros (três) inscritos, a Corvette é franca favorita com o C6-R. Pelo menos a Bell Motorsports chega para fazer uma sombra, por enquanto discreta, à marca de Detroit, com seu Aston Martin. Os "trovões" V-8 prometem encher mais uma prateleira de troféus.

Já a classe LMGT2 tem equipes e marcas de sobra. Trata-se da categoria que mais tem evoluído e que não por acaso reúne o maior número de inscritos para a corrida do próximo sábado: 16 no total. Os construtores envolvidos na divisão têm muito peso, também: Porsche, Dodge, Aston Martin, Ford, Corvette, Panoz e Ferrari.

Por enquanto, a grande favorita é a Risi Competizione, campeã em 2007 com Jaime Melo Jr. e Mika Salo, que continua com a eficiente Ferrari F430. Só que a Flying Lizard preparou um esquadrão à altura de suas pretensões: com três Porsche 997 GT3 RSR a tempo inteiro, os "Lagartos Voadores" não esperam outra coisa além do título. E eles vêm para Sebring com sede de vingança: ano passado, numa chegada inesquecível, Melo derrotou o alemão Jörg Bergmeister por 0s202 - margem ridícula para uma prova de 12 Horas de duração.

Correndo por fora, aparece a Tafel Racing, que evoluiu bastante em 2007 e terá duas novas Ferrari F430. A marca italiana aparece com mais um bólido, da Corsa Motorsports, que deverá ter dificuldades principalmente com os pneus coreanos Hankook, de pouca ou nenhuma tradição no automobilismo.

Além dos três carros da FLM, a Porsche estará representada em Sebring por mais outras três equipes com um carro cada: a Vici Racing, a Farnbacher-Loles e a ARC Bratislava. Só esta última não vai correr toda a temporada, pois veio da Eslováquia. A Vici Racing deve pôr um segundo carro na pista já na próxima etapa em St. Petersbourg.

As outras marcas comparecem nas 12 Horas com um carro cada. Destaque para a Drayson-Barwell, que vai competir com um Aston Martin (nas primeiras provas será o modelo GT3) movido a bioetanol. O Corvette da LG Motorsports pode ser uma boa surpresa, assim como o Panoz da PTG. A Primetime Racing não conseguiu o apoio de fábrica da Dodge e o piloto-proprietário Joel Feinberg deverá encontrar dificuldades nas primeiras provas. Mas a maior incógnita é o comportamento do Doran Ford GT MKVIII. O primeiro carro, da Robertson Racing, foi entregue e estará em Sebring, apesar do fraco rendimento em testes particulares. Ao longo do ano, espera-se outros dois modelos iguais, das equipes Trans Sport e Doran-Kuttner.

4 comentários:

Alexandre disse...

Cara, belo blog, fazia tempo q estava por escrever e gostaria de saber se vc tem ou sabe das diferenças e se um dia houve divisão entre a alms e a gran am e se alguém da gran am já se meteu com um daytona prototipe na disputa com os alms ou até mesmo le mans?E os gts, pq são mais lentos que os da alms? abs, obrigado.

Saco de Gatos disse...

Salve Alexandre!
Sim, houve divisão sim. Haja visto que as 24 Horas de Daytona, até 1999, tinham participação quase que constante das equipes da IMSA. Foi nessa época em que foi criada a Grand-Am.
Os Daytona Prototypes não têm a ver com o regulamento da ALMS. São carros fechados, chassis tubulares, motores com blocos derivados de modelos de série e pneus Pirelli, monomarca, para dos os particpantes. Os GTs da Grand-Am são mais lentos do que os da ALMS pelo simples fato de que são bem mais próximos dos modelos originais de rua. Os LMGT1 que correm nos EUA e em Le Mans têm potência de 600 cavalos. Os LMGT2, entre 450 e 480. Os GTs da Grand-Am, entre 380 e 450 HP.
Abraço!

Anônimo disse...

O Antonio Hermann poderia fazer um acordo com a ALMS para termos uma corrida aqui, no lugar das 1000 Milhas. poderia mudar para 1000 KM Brasileiros.

Caíque.

Alexandre disse...

Sr. "Saco de Gatos", obrigado pelo esclarecimento, acompanho sempre que posso a GRAN AM, gosto muito da categoria, apesar de ser "mono-pneu", ela é muito interessante pela quantidade de combinações de chassis e motores.
Obrigado novamente, tchau.

Sds,
Alexandre.