sexta-feira, 28 de março de 2008

MÓR-REU!

Muita gente acha que é mais uma molecagem de Nelson Piquet, mas quem personificou a imagem que o dirigente teve para os torcedores de outro tricampeão foi Alan Jones, encoberto na histórica foto


(Post atualizado)

Os fãs de Ayrton Senna vão passar o resto do ano soltando fogos: morreu ontem aos 86 anos, o dirigente francês Jean-Marie Balestre, de causas ainda não divulgadas.

Presidente da FISA de 1979 a 1991 e da FIA entre 1986 a 1993, Balestre travou verdadeiras guerras políticas contra Bernie Ecclestone, que defendia os interesses dos "garagistas" ingleses através da Formula One Constructors Association (FOCA) criada e presidida por ele. O francês perdeu algumas querelas contra o todo-poderoso baixinho britânico, venceu outras, mas sem dúvida ficou marcado pela decisão até hoje controversa do Mundial de 1989.

Naquele ano, Balestre caiu em desgraça no mundo inteiro - principalmente no Brasil - porque deliberadamente decidiu desclassificar Ayrton Senna no GP do Japão daquele ano, para favorecer o compatriota Alain Prost, que se sagrou campeão.

Figura controvertida do esporte, fez parte da Resistência Francesa como um agente disfarçado durante a II Guerra Mundial alistando-se entre os Nazistas, inimigo público número 1 dos fãs do tricampeão Senna (a ponto de vir ao Brasil um ano depois de sua polêmica atitude pra ver a corrida em Interlagos e provocar a torcida - "eles não têm dinheiro nem pra jogar tomates"), Balestre pelo menos leva consigo um ponto positivo à frente da FIA: foi em sua gestão que a categoria máxima do automobilismo abandonou os motores turbo para voltar aos carros dotados de propulsores de aspiração normal, devolvendo aos paddocks os boxes e grids cheios que tanta falta fazem à F-1.

5 comentários:

L-A. Pandini disse...

Quem está fazendo os chifrinhos em Balestre é Alan Jones, que foi cortado da foto. Ela foi publicada (por inteiro) na revista Rombo com a reportagem do título.

Vik disse...

Me explica uma coisa:

Como alguém pode participar da Resistencia Francesa e ao mesmo tempo, colaborar com os Nazistas?

Quem era da Resistencia Francesa combatia justamente os nazistas. A Resistencia existia e apoiada pelo De Gaulle.

Agora se ele colaborava com os nazistas na II Guerra Mundial, então ele não era da Resistencia. E sim pertencente ao Governo de Vichy.

Saco de Gatos disse...

Vik, nunca ouviu falar em "agente duplo"? Talvez fosse o papel do Balestre enquanto jovem.

Saco de Gatos disse...

Eis a prova de que Balestre era, de fato, um agente duplo:

Balestre alistou-se na Waffen SS durante a 2ª guerra mundial e serviu em 3 diferentes unidades a "soldo" dos alemães, inclusive chegando a patente de tenente... aí sim atuando como agente duplo, repassava informações privilegiadas aos seus contatos da resistência francesa.

Tá explicado?

Anônimo disse...

Se ele fosse o presidente da Fia nos últimos anos a F1 não não estaria essa merda que é hoje, cheia de regras absurdas e manobras de bastidor para beneficiar as equipes inglesas (lembram de 1994?). Fora Max Mosley!!!!

Wallace Michel