quinta-feira, 24 de abril de 2008

Casa cheia

A IndyCar Series, enfim unida após o insólito fim de semana passado com parte do grid se exibindo no Japão e o restante na "corrida-enterro" da ChampCar, faz neste fim de semana mais uma etapa (a quarta ou quinta, afinal?) do campeonato no perigoso oval do Kansas.

Os organizadores comemoram: afinal, serão 27 pilotos enchendo o grid - o melhor da categoria afora as edições das 500 Milhas de Indianápolis, que comportam 33 carros. Além dos vinte e seis usualmente inscritos, a Luczo Dragon Racing inscreveu o sul-africano Tomas Scheckter, que correrá no Dallara #12 da equipe dirigida por Jay Penske, filho de Roger.

E a categoria ganha para a Indy 500 uma nova equipe: a Pacific Coast Motorsports, com o apoio do Ministério do Turismo do México, inscreverá um Dallara Honda para Mário Dominguez, que venceu duas provas na ChampCar.

Dominguez, o "Super Mário" para seus compatriotas, tem enorme propensão ao risco. É rápido, mas alucinado e estabanado - prato cheio para acidentes.

Olho para a lista de inscritos da Indy 500 e vejo Dominguez... Scheckter... Tony Foyt... Viso... Ryan Briscoe... Milka Duno...

Vai dar merda...

6 comentários:

r/t disse...

Esse que voce se refere como TOny Foyt é o AJ Foyt IV, neto do AJ não é ?

Pergunto isso porque ele em 2003 foi o autor do toque que quase custou o fim da carreira do Junqueira lá mesmo em Indy, e acabou por encerrar tambem as chances de titulo do próprio na então Champ Car, se lembra ?

Saco de Gatos disse...

Positivo, r/t. Tony Foyt é AJ Foyt IV, neto da lenda AJ.
Ele fez aquela cagada monstro pra cima do Junqueira não em 2003, mas sim em 2005.
Abraço.

Anônimo disse...

Enquanto isso, nomes como Nelson Philippe, Alex Tagliani, Paul Tracy, A.J. Allmendinger, Simon Pagenaud e Robert Doornbos estão sem equipe.

Wallace Michel

Anônimo disse...

Por falar em bração o Jaime Câmara Neto vai substituindo o francês Franck Perera na Conquest pelo resto da temporada.

Wallace Michel

verde disse...

Pagenaud? Philippe? O Briscoe, o Scheckter e o Viso dão de dez nesses caras.

O Allmendinger assassinou sua carreira ao mandar a Forsythe pro inferno e emigrar para a equipe Red Bull da Nascar. É óbvio que correr na Champcar não colocava comida na mesa (digo e repito), mas o que ele é hoje, na Nascar? Se bobear, podia até ter ganho dinheiro sendo um top da Champcar.

Anônimo disse...

è um disperdicio d talento o tomas S. correr só 3 corridas...

Será q em Indianapolis as equipes da champ-car vão apanhar até dessas equipes q só correm na indy 500?