terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Ainda estamos no século XIX?

Com a palavra, a reportagem do Terra que revela o nome de um dos envolvidos nessa história. E depois não digam que é implicância...

Pai de Senna é acusado de manter trabalho 'escravo'

Duas ações do Ministério Público do Trabalho (MPT) - uma Ação Civil Pública e uma Ação Civil Coletiva - acusam o empresário Milton da Silva, pai do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna, e mais dois sócios de manter 82 trabalhadores em condição análoga à escravidão na fazenda Campo Aberto, localizada em Barreiras (BA). Os processos tramitam na Justiça do Trabalho da Bahia e, segundo o MPT, estão próximos de ser encerrados.

As ações cobram dos proprietários da fazenda R$ 600 mil por dano moral coletivo e R$ 110 mil em indenizações trabalhistas por cada trabalhador libertado pela fiscalização. Em março de 2007, o grupo móvel especial de combate ao trabalho escravo do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) constatou 29 infrações, durante dez dias de inspeção na propriedade rural.

Desde 2005, as ações de combate ao trabalho escravo do governo federal libertaram cerca de 27 mil trabalhadores no País. Servidão por dívidas e restrição à liberdade dos trabalhadores são os principais problemas encontrados nas propriedades, que também apresentam, por vezes, aliciamento irregular para trabalho temporário, alojamentos e refeitórios sem as mínimas condições de higiene, além de ausência de equipamentos de proteção individual.

4 comentários:

Anônimo disse...

E esse aí é o pai do "herói"...

Wallace Michel

Gustavo Castro disse...

Exato Wallace. Esse é o pai do herói nacional.

Victor Menezes disse...

O próprio.

Minha previsão: daqui a pouco aparece alguma viúva, dizendo que isto é um complô, uma armação...

Um sujeito desses tem que passar o resto dos dias na cadeia...

Pezzolo disse...

q horror né?