sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Fosfosol - Palmeiras 1 x 2 Internacional de Limeira (1986)


O ano de 1986 foi marcante para um até então desconhecido time do interior de São Paulo. A Associação Atlética Internacional, de Limeira, entrou para a história do futebol brasileiro a ser o primeiro time fora da capital - descontando o Santos de Pelé, claro - a ganhar o Paulistão.

Foi uma conquista surpreendente, mas com muitos méritos. O alvinegro limeirense foi de fato o melhor time de toda a competição, eliminando o Santos em dois jogos de forma incontestável para enfrentar o Palmeiras treinado por Carbone, campeão carioca com o Fluminense em 1983.

Se por um lado o Verdão tinha jogadores do naipe de Jorginho, Edmar, Mirandinha, Éder e Mendonça, a Inter contava com um trunfo e tanto fora das quatro linhas - além da fanática torcida: José Macia, o Pepe, maior artilheiro do Santos depois de Pelé.

Pepe montou um time de operários da bola. O goleiro era Silas, eterno reserva do Santos. Na zaga, estavam Bolívar (pai do Bolívar do Inter, que acabou de levar uma suspensão de seis meses do STJD, reduzida a uma punição ridícula de 15 dias graças a um efeito suspensivo) e Juarez, que depois jogaria na Itália. Gilberto Costa era o pilar do meio-campo, junto ao experiente Manguinha, ex-Guarani e Náutico. No ataque, letal, brilhavam Kita com seus gols e o ponta Tato, homônimo do atacante do Fluminense, de grande velocidade nas arrancadas.

O Palmeiras despachou o Corinthians na outra semifinal, com direito a gol olímpico de Éder e despontou na decisão como favorito. No primeiro jogo, disputado em 31 de julho no Morumbi - palco das duas partidas - o Verdão não conseguiu furar a defesa limeirense e não houve gols nos primeiros 90 minutos do confronto.

A noite histórica de 3 de agosto teve 68.564 torcedores no Estádio Cícero Pompeu de Toledo, proporcionando uma renda na época de pouco mais de 2 milhões de cruzados, a moeda corrente de 1986. O Palmeiras entrou em campo com Martorelli, Diogo (depois Ditinho), Márcio, Amarildo e Denys; Lino (depois Mendonça), Gérson e Jorginho; Mirandinha, Edmar e Éder. A Inter jogou com Silas, João Luís, Bolívar, Juarez e Pecos; Manguinha, Gilberto Costa e João Batista (depois Alves); Tato, Kita e Lê (depois Carlos Silva).

No primeiro tempo, o Palmeiras de novo não conseguiu furar a defesa rival e os primeiros 45 minutos terminaram com o zero no placar, aumentando a apreensão do alviverde, que vivia uma seca de 9 anos sem títulos. Aí, aconteceu. Aos cinco minutos do segundo tempo, Kita chutou forte de fora da área, quase caído, e venceu Martorelli. Foi o 24º gol do gaúcho João Leithardt Neto no Paulistão de 1986.

A vibração dos alvinegros continuou e a casa palmeirense caiu de vez em cinco minutos. Denys cometeu uma falha grotesca num domínio de bola e Tato, espertíssimo, roubou a bola e, com Martorelli batido, ampliou. Delírio limeirense no Morumbi.

A partir daí, a pressão do Palmeiras aumentou e Silas deu conta do recado até os 29 do segundo tempo, quando a insistência deu resultado e o zagueiro Amarildo, de cabeça, descontou. Kita ainda perdeu um gol feito sem goleiro e a chance do 3º gol da Internacional. E o Palmeiras, no desespero, por pouco não chegou ao empate. Silas deu rebote num chute de fora da área e Mirandinha cabeceou para fora.

Mas a festa, estava escrito, era do pequeno time do interior. E no apito final de Dulcício Wanderley Boschilla, veio a explosão de alegria dos torcedores da Inter, campeã paulista de 1986.

"Este é um título que eu ofereço à toda torcida de Limeira, à minha esposa e à família do falecido Zezinho Figueroa (vítima de um aneurisma cerebral aos 34 anos, em fevereiro daquele mesmo ano). Venceu o melhor realmente", afiançou Pepe.

Quem quiser que discorde de José Macia...

Confira o vídeo da reportagem do Globo Esporte de 4 de setembro, apresentado por Léo Batista. A narração dos gols é de Luiz Alfredo.

video

Nenhum comentário: